Artigosfinanceiramente

Final de ano chegando e o sentimento de ano novo, vida nova permeia o pensamento de todas as pessoas. Tenho certeza que para você, nosso leitor, assim como para a grande maioria dos advogados, fica martelando lá no fundo da cabeça uma sensação de que financeiramente, 2019 será diferente. No próximo ano nós não vamos repetir os mesmos erros, ano que vem nós vamos fazer tudo certo…

 

Dentro dessas propostas de melhoria e desses errinhos que nós não queremos que aconteçam mais, muito está relacionado à gestão financeira das empresas.

 

Dedique a devida importância para o financeiro

É fato que os empreendedores prioritariamente se preocupam mais com a atividade fim do seu negócio. Como captar novos clientes, como expandir, como crescer, e às vezes a tarefa chata do financeiro, do controle minucioso das finanças do seu negócio, fica renegada.

 

Acaba ficando para depois, muito embora todos saibam que o controle das finanças é de suma importância para monitoramento da saúde do seu negócio. Então como nós podemos pensar em ter uma organização financeira melhor para o próximo ano?  Vamos passar rapidamente por 3 pontos principais que todo advogado deve se preocupar quanto ao planejamento financeiro do seu escritório.

 

Como foi o ano anterior?

Para você começar a pensar nas finanças de 2019, devemos olhar primeiramente para trás. Precisamos olhar para 2018. Então, te convido a fazer uma análise de como foi o seu planejamento e quais foram suas metas desenhadas para 2018.

 

Essas metas se cumpriram? Essas metas eram factíveis de serem alcançadas? Essas metas ficaram muito longe da expectativa? Fazendo essa reflexão você terá um balizador melhor para definir o seu planejamento de 2019.

 

Quando falamos de metas financeiras, estamos falando de quanto nós podemos gastar, de quanto planejamos investir e inclusive como planejamos investir.

 

Geralmente a projeção dos gastos acaba sendo um pouco mais fácil de se definir, pois é algo que você consegue controlar e mensurar. Já o planejamento do faturamento muitas vezes é feito de forma equivocada, pois pode ser subestimado o seu potencial de mercado, como também superestimada a sua performance em desenvolver novos negócios. Esse último caso acaba sendo muito comum, visto que ninguém acredita no seu próprio negócio mais do que você mesmo. Então, muita tranquilidade e pé no chão na hora de projetar a receita, ok?

 

Mas calma, caso você não tenha feito todo esse planejamento de 2018, vou te convidar a fazer esse estudo para 2019 nas próximas linhas.

 

Vamos planejar 2019?

Primeiro te convido a pensar quais vão ser os seus gastos. Mas como vou saber quanto vou gastar durante o próximo ano? Vamos por partes. Analise todos os seus custos relativos a impostos, mão de obra, insumos, estrutura, marketing, comunicação e etc.

 

Veja a média desses gastos nos últimos meses e planeje a recorrência disso para o ano de 2019. Pois bem, se você tem uma estrutura de custos e despesas desenhada, precisamos também planejar futuros investimentos que talvez sejam necessários.

 

  • Será necessária uma expansão?
  • Aquisições de novos computadores, móveis, contratações novas, reforma do espaço físico?

 

Alguma dessas questões podem se tornar necessárias, ou certamente serão necessárias. Coloque também no seu planejamento os desembolsos com esses investimentos.

 

Tendo desenhado sua estrutura de gastos de todos os tipos nós conseguimos enxergar qual o mínimo do faturamento que você precisa alcançar para chegar ao ponto de equilíbrio, ou seja, lucro igual a zero.

 

Por exemplo, se você for calculou um custo mensal de R$ 40.000, ao faturar os mesmos R$40.000 você não teria lucro, mas pagaria todas as contas.

 

Lucro, sim!

É claro que todo empreendedor deseja ter lucro com seu negócio. Então, é importante que dentro do seu conjunto de metas também tenhamos uma meta de lucro, ou seja, quanto eu quero que o meu negócio me dê de lucro mensalmente, quanto eu quero que o meu negócio gere de resultado ao final de 2019. Transforme isso em número e coloque também na sua estrutura de gastos como se fosse um pagamento que sua empresa tem que honram mensalmente.

 

Então veja, nós já pensamos nos custos, despesas e investimentos do seu escritório. Nós também já pensamos e definimos uma meta de lucro para o seu negócio.

 

Agora sim temos um número a alcançar de faturamento que seja suficiente para cobrir todos os gastos e ainda gerar o lucro que você tanto almeja.

 

Pense nesse faturamento anual e fracione ele mensalmente. Esse tem que ser o número a ser alcançado com seus processos e trabalhos consultivos. Temos então o faturamento mensal a ser atingido para que você consiga cobrir todo o seu planejamento.

 

Por último, divida seu faturamento mensal pela quantidade média de processos recebidos no mês. Você encontrará então o ticket médio de processos dentro do mês, logo saberá quantos honorários devem ser recebidos mensalmente para atingir o faturamento planejado.

 

Essa receita então cobrirá todos os custos, despesas e investimentos. E, não menos importante, ainda trará lucro para seu negócio.

 

O próximo ano promete ser positivo em muitos aspectos econômicos para o nosso país, mas lembre-se sempre de estar atento às mudanças repentinas do cenário econômico, político e até social.

 

Jorge Majeski

Mentor em arquitetura financeira.

Administrador, especialista em finanças de escritórios de advocacia.

Empreendedor, sócio fundador da ÉOS Inovação na Advocacia, atua como planejador financeiro pessoal e coach financeiro e consultor financeiro para escritórios de advocacia.

Experiência significativa no desenvolvimento e execução de controles gerenciais, performance e planejamento financeiro. Articulista da área financeira.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Post comment