Gestão financeira

O SEU ESCRITÓRIO É REALMENTE  LUCRATIVO?

 

Imagino que essa pergunta tenha uma resposta considerada por muitos como óbvia.

“Sim, lucro é importante para remunerar os sócios do escritório e até mesmo para permitir novos investimentos no próprio escritório”.

Dito isso, faço um novo questionamento.

Se lucro é importante, você tem esse indicador aferido e acompanhado mensalmente, correto?

Agora, arrisco afirmar que essa reposta já não seja tão obvia para muitos que estão lendo esse artigo.

A seguir abordarei como calcular o lucro do seu escritório e também explicarei a diferença de alguns conceitos que muitas vezes confundem a vida do advogado-empreendedor.

 

Como descobrir o lucro do seu escritório?

 

Descobrir exatamente o lucro do seu escritório não é uma atividade complexa, mas que deve ser realizada com muito cuidado e atenção, para que não seja deixado de lado nenhum número importante no cálculo.  E também para que possamos iniciar a explicação de como se calcula o lucro do seu negócio, penso que seja importante esclarecer o que não é lucro.

 

Diferenças entre faturamento e lucro

 

Faturamento

Primeiramente, observo que se confundem muito os conceitos de faturamento e lucro. Faturamento nada mais é do que a soma de todas as receitas (honorários) recebidas pelo escritório em um período de tempo.

É importante acompanhar o faturamento mensalmente, para analisar se suas receitas estão se mantendo estáveis, aumentando, ou até mesmo diminuindo e sejam tomadas medidas antecipadas para agir de acordo com cada cenário.

Outro aspecto importante para ser analisado no acompanhamento do faturamento mensal é a composição da receita. Analisar por exemplo qual o percentual de honorários fixos (aqueles parcelados ou contatos de partido) e os honorários variáveis (êxitos, sucumbências e avulsos) te proporcionará uma visão média de quanto você pode comprometer do seu faturamento com as despesas. Outra análise que as vezes acaba sendo um divisor de água para os escritórios é a comparação de receitas entre áreas (cível / trabalhista / tributária), por exemplo.

 

Lucro

Diferentemente do faturamento, o lucro é o valor final que se obtém após se deduzir do faturamento todos os tributos, custos e despesas.  Uma formula simples: todas as receitas menos todos os custos e despesas.

 

Saldo disponível na conta também não sinônimo de lucro 

 

Por fim, lembre-se de não se iludir com o saldo que você tem em sua conta bancária. Como vimos acima, para aferir o lucro não utilizamos o saldo inicial nem final na composição do cálculo. Quando nos referimos a saldo, estamos nos remetendo ao  de fluxo de caixa, que é outro indicador, também muito importante, mas objeto de um artigo anteriormente publicado.

 

O seu escritório é lucrativo?

 

Se lhe perguntasse de bate pronto se o seu escritório é lucrativo, qual seria a sua resposta? Acredite ou não, a experiência tem demostrado que muitos escritórios não têm essa informação, se são lucrativos ou não. Para ter esse indicador sempre na “ponta do lápis”, é fundamental um bom e disciplinado controle da movimentação financeira do escritório. Tendo esse número aferido e acompanhado permite que ao gestor a tomada de decisão rápida quando surgem questões como:

  • É possível ser mais eficiente?
  • Por onde começamos a redução de custos?
  • Temos novas formas de aumentar o faturamento?

 

Quando a oportunidade bate à porta

 

Portanto, se a lucratividade do seu escritório não era algo observado, fica aqui uma grande oportunidade, de olhar para esse tão importante indicador a partir desse ano. Agora, se seu escritório já tem sua margem de lucro acompanhada mensalmente, aproveite essa análise para tomadas de decisões estratégicas. Tenho absoluta certeza que suas decisões serão mais assertivas e conscientes quando amparadas em números.

 

Leia mais sobre o Funil de vendas e a Jornada do Cliente na Advocacia! 

 

Jorge Majeski

Mentor em arquitetura financeira. Administrador, especialista em finanças de escritórios de advocacia. Empreendedor, sócio fundador da ÉOS Inovação na Advocacia. Atua como planejador financeiro pessoal e coach financeiro e consultor financeiro para escritórios de advocacia. Experiência significativa no desenvolvimento e execução de controles gerenciais, performance e planejamento financeiro. Articulista da área financeira. Co-autor do livro Gestão de Negócios Jurídicos. – Instituto para o Desenvolvimento Democrático, 2018.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Post comment